25 Jun 2021

Era uma vez um jovem a quem a Generali mudou a vida.

Rogerio Dias from Generali SegurosS.A.

Apaixonado por desporto, sonhava um dia ser professor de Educação Física. Participava nos campeonatos nacionais de triplo salto, jogava futebol e corria provas de 1.500 metros e até maratonas, enquanto ganhava algum dinheiro a dar aulas de desporto e a fazer passagens de modelos.

Mas aos 18 anos surge a oportunidade de uma entrevista na Generali. O que o terá movido a cortar o cabelo comprido e trocar a roupa desportiva pelo seu primeiro fato, por causa de uma oportunidade de estágio num sector pouco atrativo para um jovem? A curiosidade, o desafio e a oportunidade de sair da sua área de conforto.

Da liberdade das pistas de atletismo para o rigor de um escritório.

Em março de 1990 deixou os toques na bola de futebol para aprender a usar todos os dedos nas máquinas de escrever AZERTY e QWERTY e nos primeiros PC’s que chegavam à empresa.

Foi conquistado pela importância do “human touch”: pela empatia inicial com o diretor de RH, pelo acolhimento excelente, pelo ambiente diverso, com pessoas de várias nacionalidades e pela exigência máxima, já com o foco na satisfação do cliente.

Uma das primeiras tarefas que logo o inquietaram: organizar por ordem alfabética os avisos de receção dos correios? Deveriam existir mecanismos que facilitassem aquela operação manual e nada produtiva. Esta procura da simplificação e da inovação pautou o seu percurso, procurando sempre contribuir para a otimização de processos.

Generali, 3. Desporto, 0.

Em 1992, foi desafiado pelo diretor de sinistros para uma mudança. Curioso, para uma área onde se leem as condições gerais das apólices dos vários ramos, o que foi fantástico para perceber todo o negócio, numa altura em que o Grupo Generali adquire o Grupo Vitalício e se fez sentir o impacto de uma primeira integração.

Percebendo o potencial deste crescimento, com o apoio da Companhia e com o estatuto de trabalhador-estudante, apostou na licenciatura em Gestão, numa altura em que o setor segurador contava com uma percentagem muito reduzida de licenciados.

Surge então o desafio de criar a plataforma central de sinistros da Generali na Europ Assistance, para onde transitou para formar os operadores a regularizarem sinistros dos vários ramos. Ainda hoje, com outra escala e evolução, a plataforma da EA de regularização de sinistros se baseia nesta importante origem.

Compromisso com a inovação e com as oportunidades de crescimento.

Ainda na década de 90, foram lançadas as teleperitagens, através do recém-chegado correio eletrónico e das primitivas máquinas fotográficas digitais, permitindo que sem deslocações, um perito em desk control pudesse apurar os danos de uma viatura.

A redução dos tempos médios de regularização, que permitia a redução de custos e a melhoria da experiência dos clientes, já fazia parte dos objetivos da organização. O correio eletrónico em Portugal surgiu antes da Internet, a qual se democratizou apenas a partir da segunda metade da década de 90.

Com um sentimento de pertença cada vez mais forte, foi recusando oportunidades noutras empresas. O programa de retenção já existia, mesmo sem grande formalização: uma organização que oferece oportunidades constantes e que integra verdadeiramente o colaborador numa equipa e numa estratégia, para que se sinta integrado e compensado. Mesmo dentro da mesma direção, foi sempre fazendo coisas diferentes, entrando em novos projetos, questionando sempre o business as usual e os processos antigos existentes.

Os sonhos escudados pela confiança na solidez do nosso Grupo.

Já com 5 anos de empresa e 23 anos de idade, permitiu-se colocar outros sonhos em prática: um empréstimo bancário para a moradia da futura família, enquanto terminava o curso de Gestão à boleia da Honda VFR 800 fi preta, a única forma de ser pontual em todos os compromissos. As aulas remotas ainda não eram uma realidade, senão ter-lhe-iam poupado algumas multas de excesso de velocidade.

Aos 30 anos, durante uma visita do administrador delegado à direção de sinistros, é desafiado a integrar a distribuição, como diretor comercial norte, começando uma jornada com menos leitura de condições gerais e mais de relação interpessoal, contruindo uma nova rede de agentes e amizades que ainda hoje persistem, tornando-se o diretor comercial da companhia.

Mais tarde apostou na pós-graduação em Sales e no mestrado em Marketing no ISCTE, com tese sobre “o multi-acesso na atividade seguradora”, ficando definitivamente para trás a licenciatura em desporto tão desejada. Nenhum de nós em criança terá dito que “quando for grande quero trabalhar numa seguradora”, mas todos procuramos ter as habilitações pessoais e académicas para alcançar a melhor performance possível na área profissional onde nos integramos.

O parceiro para a vida que acompanhou mais de 30 anos do meu percurso.

Enfim, falando agora na primeira pessoa, estou obviamente muito grato à companhia por esta progressão e todas as oportunidades de formação, desde o Global Leadership Series, com passagem em universidades de prestigio como o IMD em Lausanne, a outras iniciativas internacionais nas vertentes de liderança, cultura organizacional e D&I. Uma palavra de apreço também para todos os meus lideres e equipas que liderei, sem as quais a progressão na carreira teria sido de todo impossível.

Destaco ainda as aprendizagens em viagens com agentes e outras deslocações profissionais em programas internacionais, com colegas de grande competência que dignamente desenvolvem a sua função em Portugal e nas várias geografias, onde foi possível conhecer o mundo da Argentina a Moçambique, do Dubai a Hong Kong, dos USA à Rússia, para além de 6 das 7 maravilhas do mundo. Para os curiosos, falta apenas Chichén Itzá no México.

É com grande orgulho que celebro mais de 30 anos deste caminho juntos, preparado para a era do fully remote work e para os novos desafios de um futuro incerto e muito desafiante.

De aspirante a professor de Educação Física, a diretor comercial norte, diretor nacional de vendas agentes, chief commercial officer, general manager, deputy CEO e atual CDO da Tranquilidade-Grupo Generali, a pai de família com 4 lindos filhos, posso afirmar que mais do que um slogan, a Generali foi verdadeiramente um parceiro para a vida.